Hipertensão na Gestação: Uma ameaça pouco reconhecida!

Compartilhe:

Como administradora de diversos grupos virtuais de gestantes, recorrentemente vejo absoluta negligência com síndromes hipertensivas na gestação, demonstrando o quão desatualizados estão a esmagadora maioria dos profissionais da área obstétrica e como estar bem informada pode ser uma questão, para além de se ter o Parto como se deseja, de saúde! Então, parafraseando Melania Amorim: o que não se pode deixar de saber?

pixabay.com

Quais os níveis de PA – Pressão Arterial – considerados normais?

De acordo com o Guideline 2017 for High Blood Pressure, do American College of Cardiology,  os níves de PA devem ser categorizados em Normal, se até 120 / <80 mm Hg; Elevada, se 120 / <80 mm Hg; Hipertensão 1, se 130-139 ou 80-89 mm Hg e Hipertensão 2 se igual ou superior 140 ou 90 mm Hg.

Eu estou no grupo de risco?

Alguns dos fatores de propensão ao quadro são obesidade ou ganho de peso excessivo ao longo da gestação, histórico familiar e a pressão mais baixa – diastólica – em 80mm Hg na primeira avaliação e doença renal.

Hipertensão! E agora?

Duas aferições da pressão mais alta – sistólica – igual ou superior a 14mmHg  OU da diastólica igual ou superior a 90mm Hg , como já colocado, já se considera Hipertensão. Se descoberto antes da vigésima semana de gestação, é Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), crônica. A gestante já tinha, apenas não havia descoberto.

Se descoberto após a vigésima semana, é Hipertensão Gestacional. Tanto na crônica quanto na gestacional é possível que haja evolução para outros dois quadros: Pré Eclâmpsia e Síndrome HELLP!

Na Pré Eclâmpsia além da alteração da pressão, pode haver comprometimento de órgãos como rins e fígado, podendo acontecer edema pulmonar e distúrbios visuais. Um grande desafio no diagnóstico deste quadro é a desinformação dos profissionais que ou nem pedem os exames complementares específicos ou se o fazem, pedem somente a proteinúria. Ausência de proteína na urina e inchaço não garantem ausência de Pré Eclâmpsia!

Essas alterações podem acontecer sem que a gestante tenha muitos sintomas, mas também podem apresentar alguns como dor de cabeça,  nas têmporas e “atrás” dos olhos, enjoos, vômitos, visão turva ou com pontos pretos, queimação  e dor no estômago , dor no abdomen do lado direito… Muito comumente confundidos ou mesmo desprezados como desconfortos usuais da gestação, é preciso ter atenção a eles e sempre procurar assistência, principalmente se:

Autoral em base Freepik

A segunda complicação associada é a Síndrome HELLP. A sigla é a representação em inglês das alterações que a doença apresenta: Hemólise (enfraquecimento das células sanguíneas), EL para elevação das enzimas do fígado e LP para a baixa de plaquetas. Embora mais comumente seja uma decorrência da Pré Eclampsia , 15% das que a apresentam não tinham diagnóstico anterior.

Por isso quando há alteração pressórica é imprescindível fazer todos os exames que detectam essas alterações regularmente e NUNCA desprezar seus sintomas, trocando a conduta médica correta por indicações que minimizam a questão como “ é só estresse”, “ é síndrome do jaleco branco”, “ toma um chá que passa”… e tantos outros!

Síndromes Hipertensivas e suas complicações são progressivas, com riscos associados graves como descolamento de placenta, restrição de crescimento, hemorragia, convulsão (Eclâmpsia), dentre outros. Por isso a indução está recomendada a partir da trigésima sétima semana para todas com hipertensão gestacional!

Informe-se! Empodere-se! Cuide-se!

 

 

Dúvidas? Contate-me

Bibliografia:

Pré Eclâmpsia momentos críticos: o que não se pode deixar de saber: http://estudamelania.blogspot.com/2014/05/estudando-hipertensao-e-gravidez-parte.html

2017 Guideline for High Blood Pressure in Adults: https://www.acc.org/latest-in-cardiology/ten-points-to-remember/2017/11/09/11/41/2017-guideline-for-high-blood-pressure-in-adults

NICE hypertension guideline 2011: evidence based Evolution: https://www.bmj.com/content/344/bmj.e181

Induction of labour versus expectant monitoring for gestational hypertension or mild pre-eclampsia after 36 weeks’ gestation (HYPITAT): a multicentre, open-label randomised controlled trial: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19656558

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *