Dança do ventre na Gravidez, em 5 tempos

Compartilhe:

A dança do ventre é uma manifestação artística, categorizada dentro das artes cênicas, como dança folclórica e que, remonta há mais de 100 mil anos. Egípcios dizem que nasceu no Egito. Libaneses, no Líbano, e brasileiros… bem, nós brasileiros não temos lido muito sobre história, então pulemos essa parte.

O fato é que as danças árabes, vem sendo difundidas em muitas partes do mundo, e hoje aqui no Brasil, conta com diversos profissionais conceituados e competentes, além de fiéis adeptos. É conhecida como uma atividade física, realizada em grande parte por mulheres e que, reconhecidamente, pode proporcionar às suas praticantes uma melhoria considerável na auto estima, favorecendo o contato com a própria sexualidade e trabalhando grupos musculares que, normalmente ficam esquecidos, trazendo consciência corporal, propriocepção, alongamento e fortalecimento muscular.

“A arte de dominar o corpo traz profundos reflexos ao espírito. Torna-se um condicionamento que propicia o autoconhecimento, conduzindo à autoconfiança. Produz um estado de relaxamento interior, ajudando a mulher a viver com mais tranquilidade, qualquer que seja seu modo de vida.” (BERCARDINI, P., pág. 21, 2009)

 Grávida Pode?

alongamento na dança do ventre
Foto de Jú Paié

Em uma gravidez saudável e de baixo risco, a dança do ventre é uma atividade que pode ser realizada desde o início da gestação, até o final, não havendo grandes contraindicações para a maioria das gestantes. Pontuada a importância de sempre consultar sua obstetra ou obstetriz antes de iniciar qualquer atividade física durante a gravidez, seguimos para o que mais interessa: quais os benefícios da pratica da dança do ventre na gestação?

E 5,6,7 e 8…

aula de dança do ventre para gestantes
Foto de Jú Paié
  1. Consciência Corporal.

Durante a gestação, nosso corpo passa por muitas mudanças. Chega o momento em que, muitas de nós, sequer nos reconhecemos dentro do nosso próprio corpo. A percepção corporal pode ficar prejudicada, afetando a coordenação motora e a consciência corporal. A dança do ventre, propõe um tipo de movimentação corporal que nos exige um nível grande de concentração em nosso próprio corpo. Neste sentido, pode sair ganhando em relação à outras atividades físicas, que nos desafiam em uma proporção menor, como a hidroginástica ou outras danças que nos sejam mais familiares, favorecendo um ganho considerável de consciência corporal, além de trabalhar autoimagem.

2 Auto estima e sexualidade.

A Dança do ventre é uma dança sensual e ligada, em muitos ugares e momentos específicos da história, com fertilidade e parturição. Os movimentos sinuosos e cíclicos oferecem uma visão bonita e harmônica do corpo feminino, favorecendo em muito um olhar mais generoso e aberto para si mesma. Sabemos bem o quanto se sentir bonita e sexy na gestação, pode ser difícil para muitas de nós. a partir deste ponto de vista, pode ser uma excelente maneira de você se haver com a própria sexualidade e feminilidade, dançar com o barrigão. Além disso, partindo de uma perspectiva simbólica, a dança do ventre é uma atividade que trabalha questões do feminino, visto como cíclico e sagrado, valorizando o corpo feminino, o corpo grávido e suas atribuições, o que acaba por incrementar nossa visão sobre nós mesmas e, por consequência, nos beneficiando com um aumento considerável de autoestima. Mulheres que praticam a dança do ventre durante a gestação, relatam maior satisfação na vida sexual e com a própria sexualidade durante a gravidez e depois do nascimento dos filhos.

  1. Preparação para o parto.

Nesta dança, os movimentos são apresentados como uma espécie de separação entre parte superior e inferior do corpo. Existem movimentos específicos para os braços, para o tronco, pernas e quadril. Muitos dos movimentos de quadril aprendidos na dança do ventre trabalham a musculatura pélvica, trazendo maior consciência corporal e propriocepção da região, como já foi dito acima, mas também proporcionando alongamento e fortalecimento de alguns grupos musculares importantes, e que serão amplamente usados durante o parto. O trabalho com a dança do ventre gestacional, pode ajudar na prevenção de lacerações, incontinência urinária e auxiliar no período expulsivo.

  1. Alívio das Dores e Incômodos de fim de Gestação e parto

Pelo fato de os movimentos de quadril, trabalharem toda a musculatura abdominal, perineal e posterior, favorecem o relaxamento e soltura de possíveis pontos de tensão, oferecendo posições que aliviam consideravelmente as famigeradas dores lombares de último trimestre. Os movimentos favorecem, ainda, a liberação das fáscias, abrindo espaço para o bebê dentro do útero, auxiliam na circulação sanguínea e linfática, diminuindo a incidência de edema, câimbras e formigamentos nos membros superiores e inferiores.

No momento do trabalho de parto, alguns passos desta atividade tão especial, podem servir como um excelente método não farmacológico de alívio da dor, justamente por trabalharem toda a região, favorecendo relaxamento muscular e fascial. Sendo realizados no momento adequado e de maneira adequada, podem auxiliar, até mesmo, na descida do bebê e no processo de dilatação, vejam só!

  1. Diversão certa e alívio da ansiedade, e prevenção da DPP

As aulas de dança do ventre, normalmente, compostas quase que 100% por mulheres, podem oferecer a você, um ambiente íntimo e seguro, no qual poderá sentir-se à vontade para falar e compartilhar suas experiências, fazer novas amizades, e trocar vivências, sentimentos e sensações com outras que já passaram ou estão passando pelas mesmas coisas que você. Esse círculo sagrado de mulheres, pode fazer pode fazer parte de uma rede de apoio importantíssima e necessária, principalmente, durante o puerpério. E como toda atividade física, pode proporcionar um prazer gigante e ajudar na liberação de hormônios reguladores de humor e, portanto, pode ter um papel importante na prevenção da depressão pós-parto, ou no favorecimento de um puerpério/baby blues, mais tranquilo.

Fim

bailarina gravida
Mixpixel

E tudo isso, é apenas um pouco do enorme universo que se abre de benefícios e prazeres, de se praticar a dança do ventre durante o ciclo gravídico puerperal. Ficando, para terminar, com uma palavra, que penso ser a síntese de tudo que expus aqui neste texto: EMPODERAMENTO! Uma mulher grávida que sente bem em relação ao seu corpo, à sua sexualidade, que sente que tem consciência de seu corpo e dos processos pelos quais está passando e irá passar e que, além de tudo, ainda tem ferramentas em seu próprio corpo, que a possibilitam sentir-se melhor, ter menos dores e dar conta de uma série de acontecimentos fisiológicos durante a gravidez e parto, é uma mulher empoderada e que, possivelmente, vai ter uma experiência de parto e de maternidade, mais satisfatória e feliz! Então, dance seu ventre, junto com seu bebê, e seja feliz!

Quer saber mais sobre a Dança do Ventre e seus Benefícios?

BENCARDINI, P., Dança do Ventre: ciência e arte. São Paulo, Baraúna, 2009.

NASCIMENTO, M. S. L., Efeito Terapêutico da Dança do Ventre em Mulheres com Queixas de Dismenorreia Primária. Campina Grande, UEPB, 2011.

PENNA, L. C., Dance e Recrie o Mundo. São Paulo, Summus, 1992.

Doulas recomendam:

Aspectos Fisiológicos e Psicológicos na Gravidez &... O Grupo MAE - Maternar Acolher Empoderar, promove mensalmente "Rodas de Gestantes" com diversos temas e os mais variados profissionais envolvidos dura...
Doular é a minha revolução: como a luta pela vida ... Sou Elis Teixeira, tenho 34 anos e há 3 anos renasci após um parto domiciliar que mudou completamente a minha vida. Sou formada em História e especial...
O Amor me ensinou a ser doula Um pouco de mim Sou Williana, filha de Maria da Penha e Washington. Nasci de uma cesariana por um desejo da minha mãe em fazer a laqueadura das tromp...
Relato de Cesariana intra-parto – por Talita... Artur acabou de completar 40 dias e de presente recebi esse registro incrivel feito por Juliana Rosa ! Sem palavras. Artur é nosso segundo bebê arc...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *