A Influência da Lua na Gestação e no Parto – Parte II

Compartilhe:

Pra quem já leu o primeiro post, Bora?! Vamos seguir…

Pra quem ainda não conferiu, é só clicar aqui: A Influência da Lua na Gestação e no Parto – Parte I 

Agora sim… seguiremos juntos.

E vai ficar ainda mais interessante o nosso papo!

 

Mas, afinal a Lua tem influência ou não sobre a gestação e o parto? 

Mito ou ciência?

Responder essa pergunta parece ser fácil, mas não é. Vou te explicar o porquê.

A resposta mais obvia é, SIMMM!  A Lua e suas fases podem causar alterações no nosso humor, nos nossos cabelos, nas plantas… então é claro que ela influencia na gravidez e no parto. 

Mas, ainda não há respaldo científico pra que essa afirmação seja um “sim” baseado em evidências! 

Lua Cheia por Marllen Simões

São diversos estudos (antigos e atuais), pesquisas e revisões bibliográficas, e os resultados são divergentes. Há ainda a necessidade de mais estudos relacionados a este tema.

Aqui cabe uma grande exclamação: “Se a Lua é capaz de agir nas enormes massas de água dos oceanos, como ela não teria efeito sobre os líquidos no útero da mãe ou sobre outros fluídos corporais, influenciando no crescimento dos nossos cabelos!?” (Fernando Lang, 2001).

Alguns profissionais da saúde e pesquisadores apontam que sim, nascem mais bebês na Lua Cheia. E uma possível explicação pra isso é que há mudança de pressão no líquido amniótico. Esta variação de pressão é provocada pela movimentação da Lua e favorece o nascimento dos bebês. 

A explicação mais aceita para que isso ocorra, vem através dos estudos da influência da Lua nas marés. Ou seja, assim como as fases da Lua causam determinada movimentação nas águas dos oceanos, elas também podem alterar a pressão sobre o líquido presente na bolsa amniótica. 

 

A Lua e sua Influência sobre as Marés

… mas, o que são Marés?!  

Marés são as alterações cíclicas do nível das águas do mar, ou seja,  são os movimentos de descida e subida dos oceanos. Portanto, é um fenômeno natural, observado e estudado por diversos povos. 

“Há milhares de anos os homens sabem que a Lua tem alguma relação com as marés. Antes do ano 100 a.C. o naturalista romano Plínio escreveu sobre a influência da Lua nas marés”(Ângela, 2008). 

Esta influência sempre foi importante para os povos que vivem da pesca e da coleta de frutos do mar. Todavia, este saber popular só recebeu o reconhecimento das instituições científicas a partir do século XVIII, quando Isaac Newton formulou a Lei da Gravitação Universal, conhecida como “A Lei da Gravidade”(Varela, 2013).

Através do estudo de Newton, verificou-se que o posicionamento da Lua e do Sol em relação a Terra variam a cada dia, e também durante o dia. Esse posicionamento, ou alinhamento, dos astros é que vão exercer uma determinada força gravitacional sobre a Terra. 

A Lua e as Marés

Estas forças gravitacionais, resultam em flutuações nas águas oceânicas. Vale ressaltar, que segundo Carvalho e Amorim (2014), a Lua exerce uma influência bem mais importante que o Sol.  

Quando a Terra, a Lua e o Sol estão alinhados a atração gravitacional dos dois últimos se soma, ampliando seu efeito na massa marítima. Isso acontece na Lua Nova e Lua Cheia, onde as marés sobem. Ao contrário acontece nas fases Crescente e Minguante e as marés se mantem mais constantes. 

… Lua de São Jorge

Lua soberana

Nobre porcelana

Sobre a seda azul…

 (Caetano Veloso)

 

Então pronto! Alguma dúvida de que é a Lua quem rege as águas do planeta? 

Não há dúvida. Toda massa de água, grande ou pequena, está sujeita às forças causadoras de maré provindas do Sol e da Lua. 

Porém, somente no ponto em que se encontram os oceanos e os continentes que as marés têm grandeza suficiente para serem percebidas, notadas, e observadas pelos nossos olhos humanos.

Voltamos a grande questão…

Sendo os humanos e os vegetais constituídos de água (em média 70% e 90%, respectivamente), seria a Lua capaz de exercer alguma influência sobre eles?

Com relação aos vegetais, existem estudos que comprovam que a gravitação lunar exerce influência direta sobre o fluxo de seiva no interior das plantas. A Agricultura Biodinâmica vem sendo estudada e aplicada, e tem excelentes materiais disponíveis para estudo (Leitura Recomendada). 

Quanto a nós humanos, acredita-se que quando a Lua encontra-se Cheia e Nova, assim como nas marés e nas plantas, ela exerce uma pressão capaz de influenciar os líquidos do nosso corpo. 

Há uma crença milenar que continua até os dias de hoje sobre a influência da lua na fertilidade e na concepção, principalmente nas fases de Lua nova e Lua cheia. 

 

A Lua e o Parto 

O Calendário Lunar e a Gestação 

No post anterior, vimos que o Calendário Lunar é a forma mais antiga de contar o tempo, através da observação dos movimentos da Lua (fases lunares). Ele é uma ferramenta utilizada pelas mulheres, afim de conhecer seu próprio corpo, através da observação do seu Ciclo Menstrual e das Fases da Lua. 

A Lua e a Mulher. Fonte: Pinterest, Oscuro.

Um Ciclo Lunar Completo é quando a Lua passa por todas as fases, de uma Lua Nova a outra.

Cada ciclo lunar é chamado de Lunação.  Um ano no Calendário Lunar tem 12 lunações completas.

O Calendário Lunar pode ser utilizado na gravidez, como uma forma de acompanhamento, marcando o tempo, em semanas de gestação (semana lunar), e aponta uma Data Provável para o Parto (DPP). 

 

Sim, podemos calcular a DPP pelo Calendário Lunar!!!

 

Sabendo que a gestação humana dura, em média, 280 dias, são 40 semanas de gestação, o que nos leva a fechar a conta de 9 meses solares e 7 dias, ou seja,  exatamente 10 meses lunares (10 ciclos lunares completos). 

Um Ciclo Lunar (mês lunar) dura 28 dias, e ocorre quando a Lua passa pelas suas quatro fases (Nova, Crescente, Cheia, Minguante – cada fase dura uma semana), dando uma volta ao redor de si mesma, e em volta da Terra.

Já que, “a duração de uma gestação normal é de nove a dez lunações completas, a partir da concepção, muitas pessoas acreditam que a mulher que engravida em uma determinada fase lunar terá seu parto na fase lunar correspondente “(Ângela, 2008).

É bem simples calcular a DPP pelo Calendário Lunar, Vamos lá!…

  • Para a mulher que sabe o dia da concepção, ótimo! Vai ser fácil e com grandes chances de acertar, através das lunações, qual a Data Provável para o Parto.

Nesse caso é só anotar o dia da concepção no calendário e seguir marcando até “fechar” 10 lunações completas. Por exemplo, se a concepção ocorreu na Lua Minguante, conte 9 Luas minguantes a frente e essa é sua DPP. 

Cálculo da DPP pelo Calendário Lunar/ Imagem editada. Fonte: Revista Runners
  • Para a mulher que não sabe ao certo o dia da concepção, temos duas maneiras de calcular a DPP:

Iniciar a marcação através da DUM (Data da Última Menstruação), ou seja, a partir da DUM, conta-se normalmente até os 10 meses lunares completos.

Mas, se no seu caso você não sabe a DUM, inicie a contagem através da data estimada pela primeira ultrassonografia. Ou seja, através da idade gestacional da primeira ultrassom inicia-se a marcação das semanas de gestação e segue marcando até fechar os 10 ciclos.

 

Chegada do Gabriel na Lua Nova

Lua, Lua, Luaaaa…

Como já mencionado acima, muitos acreditam que o bebê nasce na fase lunar em que a concepção aconteceu. Outros dizem que nascem mais bebês na virada da Lua. E alguns arriscam que meninas nascem na Cheia e meninos na Nova.

É cultural, é superstição, para alguns observadores é um fato, para muitas famílias é uma verdade incontestável passada de geração em geração. Vimos que a Influência da Lua no Parto continua sendo observada, porém há necessidade de mais pesquisas que comprovem estatisticamente tal fato (Conferir a revisão bibliográfica: BUENO, 2010 .

Lua Adversa

Tenho fases, como a lua, 

Fases de andar escondida, 

fases de vir para a rua... 

Perdição da minha vida! 

Perdição da vida minha! 


Tenho fases de ser tua, 

tenho outras de ser sozinha. 

Fases que vão e que vêm, 

no secreto calendário 

que um astrólogo arbitrário 

inventou para meu uso. 


E roda a melancolia 

seu interminável fuso! 

Não me encontro com ninguém 

(tenho fases, como a lua...). 


No dia de alguém ser meu 

não é dia de eu ser sua... 

E, quando chega esse dia, 

o outro desapareceu... 

Cecília Meireles, in 'Vaga Música' 

 

Ficamos por aqui!

Espero que tenham gostado. Nos vemos em breve!

 

Leitura Recomendada 

OCHIAI, A.M. Influências do meio ambiente no parto.Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, para obtenção do título de Doutora em Enfermagem. Sao Paulo, 2008.

FARIA, R. P. (Org.). Fundamentos de Astronomia. 3. ed. Campinas: Papirus, 1987.

SARAIVA, M. F. O.; SILVEIRA, F. L.; STEFFANI, M. H. Concepções de estudantes universitários sobre as fases da Lua. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia, v.1, n.11, p.63-80, 2011. 

PIMENTA, CAROLINE LUIZ. Artigo sobre o Calendario Biodinamico, as Fases e as Posições da Lua. Maneje Bem, Vol 1, Rio de Janeiro, 2018.

DARROZ; ROSA; VIZZOTTO; ROSA. As Fases da Lua e os acontecimentos Terrestres: A crença de Diferentes Níveis de Instrução. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia – RELEA, n.16, p.73-85, 2013

VARELA. Influência dos Ritmos Lunares sobre o Crescimento e Desenvolvimento do Milho (Zea mays) no cultivo em casa de vegetação. CURITIBANOS, 2013.

SILVEIRA. Marés, fases principais da Lua e bebês CADERNO BRASILEIRO DE ENSINO DE FÍSICA, FLORIANÓPOLIS, V.20,N.1:P.10-29,ABR.2003.

FERNANDES; FORTUNATO; PINTO. Fisiologia do sistema reprodutor feminino. Módulo reprodução e manutenção da espécie. Universidade do Minho; SOF-Fisiologia.

SILVEIRA, F,L. Ciencia Hoje, Rio de Janeiro, VOL.29,N. 170: P. 47; 2001.

PAULINO, A.R; BATISTA, P.P. e BATISTA, I.S. A global view of the atmospheric lunar semidiurnal tide. Journal of geophysical research: Atmospheres. v. 118, p. 13.128- 139. 16 dez. 2013

CARVALHO E AMORIM. Observando as marés atmosféricas: Uma aplica ̧ca ̃o da placa Arduino com sensores de pressão barométrica e temperatura. Revista Brasileira de Ensino de F ́ısica, v. 36, n. 3, 3501, www.sbfisica.org.br, 2014. 

BUENO, IESSI, DAMASCENO, Influência do ciclo lunar no parto: mito ou constatação científica? Universidade Estadual de São Paulo. Faculdade de Medicina de Botucatu. Departamento de Ginecologia e Obstetrícia. Botucatu, SP, 2010.

Cálculo da DPP pelo Calendário Lunar: https://superela.com/calendario-lunar-como-calcular

Doulas recomendam:

Qual a diferença entre EO e doula Antigamente, até meados de 1920, a maioria dos partos eram acompanhados por parteiras tradicionais. Em São Paulo, inclusive, existia o serviço de p...
Peito! Tudo o que você precisa saber. Elas nos acompanham desde o nascimento, desenvolvem-se na adolescência e durante a gestação e especialmente no pós-parto tem um papel importantíssimo,...
Parir pra ir além… Eu sempre achei difícil falar de quem não conhecemos, principalmente quando não é possível criar estereótipo. É, e tem que ser difícil julgar o percur...
Oi! Deixa eu me apresentar! Oi! Tudo bem? Eu me chamo Yasmin, tenho 23 anos, sou casada com o Davi e doula atuante na minha amada terra da luz: Fortaleza/CE. Mas hoje eu te convi...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *