Meu bebê é grande. Posso ter parto normal?

Compartilhe:

Imagine um mundo onde todos tivessem um único padrão de peso e altura: as mulheres com 1m60 e 50kg, enquanto os homens com 1m80 e 80kg. E cada casal teria bebês nascidos com no máximo 3kg. Mais de 7 bilhões de seres humanos, espalhados pelos cinco continentes, nascendo e crescendo com as mesmas dimensões. Devido aos fatores genéticos, raciais e étnicos, sabemos que isso é inconcebível. Entretanto, muitas gestantes perguntam: “Meu bebê é grande. Posso ter parto normal?”

tabela-percentil-bebe
Percentual do tamanho do bebê no útero, conforme a Idade Gestacional (Autor Yehuda Malul, via commons.wikimedia.org)

Ultrassom x Balança

Antes de desmistificar o tema, devemos conhecer a classificação conforme Idade Gestacional e peso de nascimento de bebês nascidos de 24 à 37 semanas (pré-termo), de 37 à 41 semanas e 6 dias (à termo); e de 42 à 44 semanas (pós-termo) de gestação – sim, em alguns estudos citam bebês nascidos com 44s. Durante o pré-natal, faz-se um cálculo baseado na Data da Última Menstruação (DUM), avaliando a altura uterina e por meio de ultrassons, com uma margem de erro de 10% para mais ou para menos.

“As curvas de crescimento intra-útero são utilizadas no diagnóstico neonatal da adequação do crescimento fetal. Idealmente estas curvas deveriam retratar gestações normais, com o bem estar fetal assegurado. Entretanto, as assim chamadas curvas de crescimento intra-útero são construídas com medidas tomadas após o nascimento e o nascimento pré-termo não é um evento fisiológico e não reflete necessariamente o feto normal que permanece no útero.” ‘Avaliação da Idade Gestacional’, Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará (UFPA).

bebes-grandes-pn
“Somos capazes!!!! Confesso que a ficha inteira ainda não caiu, hoje estamos fazendo uma semana, libero esse relato para ajudar a encorajar ao máximo às mães que estejam necessitando de coragem!!! E temos o melhor de todos os detalhes: BEBEZÃO de 4kg165 com 53cm5,  com apgar total e todas as demais avaliações.” Nathália Guimarães, Belo Horizonte (MG) – (Foto: Álbum de Família)

Meu bebê é grande pra quem?

Os bebês são classificados em três grupos: Grande para Idade Gestacional (GIG), Adequado para Idade Gestacional (AIG), ou Pequeno para Idade Gestacional (PIG). Entretanto, enquanto a maioria dos obstetras no Brasil considera um bebê de 3kg800, por exemplo, “grande para tentar um parto normal”; as diretrizes internacionais revelam que não é bem assim. O artigo “Suspeita de bebê grande: um problema clínico difícil em obstetrícia” lembra que GIGs têm peso acima de 4kg ou 4kg500.

“A macrossomia [excesso de peso de recém-nascidos] é definida arbitrariamente como tendo um peso fetal acima do percentil 90, um peso ao nascer acima de 4000g ou 4500g, ou um peso ao nascer superior a +2 desvio padrão do peso médio do nascimento pela idade gestacional.” Volume 81, Edição 3, páginas 185-194 do “Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica” [jornal acadêmico com foco na literatura e cultura de todos os países nórdicos/escandinavos]

bebe-grande-casa-de-parto-alemanha-loyana-camelo
Quadro com nascimentos de janeiro de 2018, em uma casa de parto na Alemanha, onde a taxa de cesáreas é menor que 15%, seguindo as recomendações da OMS (Foto: Arquivo Pessoal)

Peso é indicação de cesárea?

No mesmo documento, os pesquisadores do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital da Universidade de Bergen, na Noruega, citam indicações específicas para indução e a realização de cesariana como último recurso em “gestações complicadas pelo diabetes mellitus [doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue]”. Resumindo: somente o peso/tamanho estimado do bebê não é suficiente para uma indicação absoluta de cirurgia para extração fetal eletiva (antes do trabalho de parto).

“Com base na literatura, o trabalho não deve ser induzido na gravidez não-diabética. A melhor política é aguardar o nascimento espontâneo ou induzir o parto após a conclusão de 42 semanas. […] A cesárea não deve ser considerada na gravidez não diabética, a menos que o peso fetal estimado seja superior a 5000g. Nas gestações complicadas pelo diabetes mellitus há razões para a indução seletiva do parto se houver suspeita de macrossomia; e cesariana se o peso calculado do nascimento for superior a 4000g.”

bebes-grandes-macrossomia-via redgedaps
Recém-nascidos macrossômicos são bem maiores que os bebês considerados com tamanho apropriado para a idade gestacional (via redgedaps)

Desvendando a macrossomia

Os principais fatores associados à macrossomia fetal incluem: duração da gestação; presença de diabetes gestacional; e diabetes mellitus. O peso ao nascer também recebe influência da raça, etnia e genética dos pais e familiares. Posso citar meu marido como exemplo: nasceu com 3kg800 e 50cm – considerado normal pela tabela. Hoje, tem 1m87 e é a pessoa mais alta de toda a família. É o caçula de 4 filhos, porém, após três partos normais de bebês com padrões semelhantes, minha sogra optou por cesárea para realizar laqueadura de trompas. Peso jamais foi indicação para a cirurgia.

Converse com as Doulas da casa, no nosso grupo no Facebook

Na mesma pesquisa norueguesa, inclusive, o foco não é se o peso/tamanho define a via de nascimento (vaginal ou cirúrgica), mas a dificuldade de diagnosticar o excesso de peso somente com exames externos e como oferecer um bom acompanhamento durante o trabalho de parto e pós-parto. Aliás, não é difícil encontrar relatos de mães que se assustaram com o peso estimado em ultrassom, mas se surpreenderam com o nascimento do bebê até meio quilo abaixo do esperado. Sobre isso, os especialistas afirmam:

“O diagnóstico de macrossomia é difícil, tanto por palpação quanto por medição de fundo de sínfise; mesmo com medidas ultra-sonográficas sofisticadas. A combinação de diâmetro biparietal, comprimento do fêmur e circunferência abdominal parece não ser melhor do que a circunferência abdominal sozinho.” Volume 81, Edição 3, páginas 185-194 do “Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica”

bebe-distocia-de-ombro-autor-melania-amorim-via slideplayer.com.br
Todos os profissionais de obstetrícia devem estar preparados para assistir casos de distocia de ombro (Autor: Melania Amorim, via slideplayer)

Bebê ‘entalado’?

Tamanho é uma preocupação mais cultural do que científica, devido à disseminação de mitos e, claro, de desfechos trágicos resultantes da má assistência, violência e negligência. Todos os partos têm algum nível de risco; por isso as gestações são classificadas a partir de risco habitual/baixo risco. E um dos riscos apresentados como “indicação” de cesárea para “bebês grandes” é a paralisia obstétrica, quando há uma distocia de ombro. Em palavras simples: o bebê fica “preso” no canal vaginal.

“Distocia de ombro é definida como a necessidade de manobras além de uma suave tração para o desprendimento dos ombros, ou um intervalo maior que 60 segundos entre a saída da cabeça e a dos ombros durante o parto. É imprevisível, ocorrendo em 0,2 a 3% dos partos vaginais, e representa uma emergência obstétrica de difícil resolução.” Artigo ‘Paralisia obstétrica de plexo braquial: revisão da literatura’, Arquivos Catarinenses de Medicina (ACM), Volume 39, Edição 4, Páginas 95-101.

bebe-grande-pn-mayara-ferreira-arquivo-pessoal
“Meu filho Heitor (nasceu no dia 29/12/2017), com 4kg100 e 51,5cm de parto natural.” Mayara Ferreira, Nova Iguaçu (RJ) – (Foto: Álbum de Família)

‘Tamanho não é documento’

O mais interessante nem é o fato do baixo número de casos (0,2 a 3% dos partos vaginais), mas que o peso dos bebês nestas emergências costuma ser abaixo do considerado Grande para Idade Gestacional (GIG). Tanto que, o estudo do “Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica” chega à conclusão que “o problema com a difícil saída do ombro não pode ser completamente evitado.” Já o artigo da revista de Santa Catarina revela que cesárea não é a resposta, mas, sim, a capacitação de profissionais para prestar à assistência necessária:

“Apesar de existirem fatores de risco bem documentados, a maioria dos casos ocorre em gestações consideradas de baixo risco para distocia de ombro, já que 99,5% dos partos de fetos de 4 a 4,5kg ocorrem sem distocia; 41% das distocias ocorrem com peso fetal de 2,5 a 4kg. O maior número de lesões ocorre em gestantes sadias com fetos de menos de 4kg. […] A estratégia de liberalização do uso de cesariana baseada em fatores de risco é considerada inaceitável. […] As manobras devem ser executadas em uma sequência previamente treinada, das menos invasivas para as mais invasivas.”

pn-posicao-intervencionista-via-goodimg.ru
Dependendo da posição adotada pela mãe e da manipulação dos profissionais da saúde durante o nascimento podem causar lacerações sérias, mesmo que o bebê tenha menos de 3kg (via goodimg.ru)

Tamanho do bebê X Laceração

O medo de “se rasgar” no nascimento é outro motivo que torna a possibilidade de parir um bebê com mais de 3kg500 assustador. Mas a realidade é bem diferente dos “achismos”. É possível uma mulher sofrer laceração de 2º grau e seu bebê ter apenas 2kg500; enquanto outra que pariu um bebê de 4kg não precisar levar um ponto sequer. Como isso acontece? Alguns fatores precisam ser lembrados quando se trata de parto vaginal, independentemente do peso/tamanho do bebê:

  • Em qual posição a mulher estava durante o período expulsivo? Ficar deitada atrapalha o trabalho de parto e é fisiologicamente inadequado para a hora do nascimento. O ideal é optar por posições verticalizadas: de cócoras, de joelhos, sentada, em pé e de quatro apoios (também eficiente para resolver distócias e nascimentos pélvicos ou podálicos);
  • Qual é a hora certa de fazer força? Não se deve fazer força sem necessidade. Se o expulsivo estiver ocorrendo naturalmente, sem qualquer intercorrência, a mulher pode e deve deixar as contrações trazerem o bebê, sem esforço voluntário. Fazer força, mesmo que “na hora certa”, pode resultar em uma saída precipitada e causar lacerações e até rompimento do períneo;
  • Ficaram mexendo na mãe e/ou puxaram o bebê? Se não há nenhum problema clínico, o coração do bebê (BCF) está bem e o nascimento está ocorrendo de forma calma e segura, o profissional (obstetra, obstetriz, enfermeiro) não deve tocar na mãe, nem ficar tentando abrir a vagina com os dedos e, muito menos, puxar o bebê. É o chamado “hands off”: nada de mexer sem necessidade.
  • Fizeram episiotomia (corte no períneo)? Sem qualquer benefício comprovado para ajudar na saída do bebê, costuma ser utilizada rotineiramente para, nas palavras de muitos médicos, “evitar laceração”. Como um corte planejado, que tem a dimensão de uma laceração de 3º grau, evitaria a possibilidade uma laceração natural que pode nem acontecer se houver atenção nos itens acima? Meio contraditório, não acha?

Parir ou não Parir?

Se você ainda está em dúvida se realmente possível parir um bebê com mais de 3kg500, colhi mais alguns relatos de mulheres que passaram pela experiência. Elas deram à luz aos filhos com 3kg500 ou mais, em diferentes maternidades do Brasil:

bebe-grande-pn-elisa-esteves-album-de-familia
“Eram 5h45 da manhã do dia 07/1/2018, quando minha bolsa estourou e o nervosismo tomou conta de mim. Apesar de não ser o primeiro filho [de 5 anos, que nasceu com 4kg580 e 58cm] é um momento único e especial afinal eu estava preste a conhecer meu grande amor. Meu marido e eu chegamos ao hospital às 7h, mas só fui atendida às 8h51 (troca de plantão). O médico me examinou e eu estava com 4cm de dilatação, porém, sem dor. As horas passavam, eu não dilatava e não sentia dor nenhuma. Às 16h, os médicos decidiram induzir; aí, as dores começaram e ficavam mais fortes. Às 23h08 meu príncipe Lorhan nasceu com 4kg134 e 52 cm, cheio de saúde e me trazendo muita alegria e felicidade. Levei somente 1 ponto.” Elisa Esteves, Niterói (RJ) – (Foto: Álbum de Família)
bebe-grande-pn-ismaile-pacheco-album-de-familia
“Com 20 anos, tive minha filha Isabelle, linda e forte, com 4kg. Meu pré-natal foi super tranquilo. A médica pediu todos os exames e sempre me orientou a optar por um parto normal. No dia do parto, cheguei com 4cm de dilatação ao Hospital, onde fui super bem atendida. Recebi todo apoio, mesmo sendo uma pessoa de baixa estatura. Não digo que foi fácil (foi bem difícil), mas não impossível. Não sofri episiotomia, nem levei pontos e tive uma ótima recuperação. Então, se algum médico disser que você não vai conseguir, que você tem que fazer cesárea, questione! Você consegue!” Ismaile Pacheco, Porto Alegre (RS) – (Foto: Álbum de Família)
bebe-grande-pn-stephany-gomes-album-de-familia
“Sempre quis ter parto normal. Foi a realização de um sonho! E saber que fui capaz de aguentar cada contração, dilatação e, no fim, dar a luz a um bebê lindo de 3,820kg e 51cm… Foi uma sensação de empoderamento e muito, muito amor. Nicolas nasceu no dia 03/02/2018.” Stephany Gomes, Manaus (AM) – (Foto: Álbum de Família)
bebe-grande-carol-tonhi-álbum de família
“Minha primeira filha, Ana Laura, nasceu de parto normal, mas hospitalar. Ela tinha 3kg200, eu tive laceração e hemorragia graças à ‘doutora fofinha’ que puxou a bebê e a placenta. A segunda, Maria Luísa, nasceu (dia 13/3/2018), com 4kg035kg e 50cm, em um parto domiciliar planejado. Períneo 100% íntegro! ” Carol Tonhi, Araçatuba (SP) – (Foto: Raísa Rodrigues)
bebe-grande-andreza-moriggi
“Felipe. nasceu no conforto de casa, em um VBAC(parto vaginal após cesárea), em 31/07/2017. Media 54cm e pesava 3kg630. Não levei nenhum ponto.” Andreza Moriggi, Rio de Janeiro (RJ) – (Foto: Charllote Meyer, da Le Gatto Design)

Foto em destaque: “bebezão” da Nathália Guimarães, Belo Horizonte (MG), que nasceu no dia 1º de fevereiro de 2018, em um parto tsunâmico domiciliar não planejado (não deu tempo de ir para o hospital), com 4kg165 com 53cm5.

Você pariu um bebê com 3kg500 ou mais? Deixa um comentário contando a sua história para encorajar outras mães. Conhece uma gestante que está com medo do parto por causa do peso estimado do bebê no ultrassom? Compartilhe esse post para tranquilizá-la.

Lista de referências para leitura:

Conheça a diferença entre os partos natural e normal;

Cheguei às 40 semanas e nem sinal de parto: o bebê pode ‘passar do tempo’?;

Entenda melhor como é feita a avaliação da idade gestacional;

Artigo: Suspeita de bebê grande: um problema clínico difícil em obstetrícia”;

“Indicações reais e fictícias de cesárea”;

Cuidados para mães com diabetes, hipertensão e outras intercorrências;

Apresentação sobre distocia de ombro;

Artigo: Paralisia obstétrica de plexo braquial: revisão da literatura’;

Você tem medo de se “rasgar” no nascimento do bebê? Leia aqui.;

Qual é a hora certa de fazer força?;

Na dúvida sobre quem vai “fazer” o parto? Indico essa leitura;

É preciso de cortar o períneo (episiotomia) para ter um bebê “grande”?;

Quer me conhecer melhor? Clique aqui.

Doulas recomendam:

Acompanhante de parto é direito da gestante Desde o momento em que é admitida no hospital em trabalho de parto até o pós parto imediato, toda parturiente tem direito assegurado por lei de ter co...
Parto normal, natural, humanizado… Quando o assunto é parto normal, muita gente se confunde com esses nomes. Afinal, qual é a diferença entre parto normal, parto natural e parto humaniz...
Dicas para conquistar o parto dos seus sonhos Não basta apenas desejar ter um parto normal respeitoso, é preciso conquistá-lo. E aqui você encontra dicas valiosas para conquistar o parto dos seus ...
Do “meu” Interior Nasceu uma Doula Bruna Simões Carvalho Teixeira A Ancestralidade do Parto Enquanto Geraldo plantava, “apartava” vaca e tirava leite, Léa pariu 12 filhos em seu l...
Compartilhe:

8 respostas para “Meu bebê é grande. Posso ter parto normal?”

  1. Pari no último dia 04.
    4,760kg, 54cm.
    Parto normal.
    Optei pelo episio pois estava exausta de empurrar e não conseguir, depois do corte foi no próximo empurrão.

    1. Parabéns pelo bebê! Imagino teu cansaço, Mara! Poucas mulheres sabem que o expulsivo pode demorar algumas horas e que não há necessidade de fazer força. Escrevi sobre esses dois temas justamente para ajudar as mulheres a não passarem por isso. Você foi incrível! Desejo uma linda lua-de-leite pra vocês <3

      PS: se quiser ler os textos que citei acima, basta clicar nos links: http://blog.casadadoula.com.br/2018/03/01/expulsivo/ e http://blog.casadadoula.com.br/2018/02/02/fazer-forca

  2. Dia 15/01/2018 dei à luz meu filho, com 3.65kg, de parto natural, sem episio, sem laceração, sem pontos. Conhecer meu corpo, saber o que fazer na hora do parto e principalmente confiar, foram fatores determinantes para que tudo corresse como eu queria!

  3. Pari 5 filhos de parto normal:
    O mais velho pesou 3,995 e 51cm
    O segundo pesou 3, 700 50 cm
    O terceiro pesou 3,700 50 cm
    A quarta pesou 3,800 50 cm
    O quinto pesou 3,850 51 cm
    Nos três primeiros sofri episiotimia.
    Na quarta, tive laceração por uso de ocitocina sintética.
    No quinto, tive um parto hospitalar humanizado. Sem soro com ocitocina , com liberdade para escolher posição, e com direito a chutar as tesouras para longe… depois de um trabalho maravilhoso com uma Fisioterapeuta Obstétrica. .. pari meu 5¤ bebê sem episio nem laceração! Foi massa! A recuperação foi muito boa! Valeu a pena os exercícios, estudos, e a paciência de chegar na maternidade com 3 cm e ser mandada pra casa e voltar 4 horas depois com 9,5 de dilatação e parir em 30 minutos!
    Todos os bebês nasceram bem e são fortes e saudáveis até hoje. Mamaram logo após o parto.

    1. Uau! Você foi guerreira! Enfrentou muita violência obstétrica, mas conseguiu ter um parto respeitoso no nascimento caçula. Parabéns por tanta força!

  4. Eu tenho um bebe de 3 meses..nasceu de parto normal…com 54cm…4.795…foi muito doloroso…18 hrs em trabalho de parto….Mas no fim. Deus me deu força e deu tudo certo..graças a Deus…

  5. O meu filho nasceu de 37 semanas
    Com 3,880 e 51 cm
    Não ganhei nenhum ponto foi um parto muito tranquilo cheguei no hospital já com 9 dedos de dilatação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *