Parto na Água – 11 coisas que você precisa saber

Compartilhe:

Quando você vê uma foto ou assiste um vídeo de parto na água, acha lindo, emocionante e um tanto chique, não é? Igual a diva Gisele Bündchen, em seus dois partos domiciliares, ambos na banheira de sua casa.

Já imaginou ter um parto na banheira, com pétalas de rosas sobre a água cristalina. Na playlist tocando Maria Bethânia:

“Debaixo d’água tudo era mais bonito, mais azul, mais colorido, só faltava respiraaar…  Mas tinhaaaa que respiraaaar…”.

Então vamos conversar, eu tenho 11 coisas pra te contar sobre parto na água.

01. O que é um parto na água?

Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

Imersão na água durante o trabalho de parto é bastante utilizada quando as mulheres entram numa banheira ou piscina com água aquecida, é um dos métodos de alívio da dor, ainda na primeira fase do trabalho de parto, antes do bebê nascer.

Parto na água é quando a mulher vai permanecer na água ou aquela que vai experimentar imersão somente quando estiver no período expulsivo e então bebê nasce na água. Após nascer é trazido à superfície para ficar nos braços de sua mãe.

piscina-banheira-parto-na-agua
Parto na água – foto de Jason Lander via flickr.com

IMPORTANTE: é um tipo de parto que pode acontecer tanto domiciliar como em centros/casas de parto ou hospitalar.

02. Por que gostamos tanto de água?

Cerca de 60 a 65% do corpo humano é composto de água, seja em nossos músculos, ossos e até 95% do nosso sangue. Por muitos meses de gestação, o bebê se desenvolve num ambiente aquático, envolvido pelo líquido amniótico, dentro do útero onde estará protegido e aquecido.

A água está presente em nossa fisiologia diária quando precisamos beber para nos hidratar, no banho para relaxar de um dia cansativo, num banho de mar ou de piscina. Água, muitas vezes usada nos rituais de purificação, no processo terapêutico da hidroterapia e de tantas outras formas.

parto na agua
por Team Marche via Flickr.com

Durante a gestação e o trabalho de parto, a água vem sendo muito utilizada como um dos métodos não-farmacológicos de alívio da dor, seja a água quente caindo do chuveiro ou poder mergulhar numa piscina ou banheira.

O incrível é que a água tem a força de fazer o corpo flutuar, por reduzir a ação da gravidade, deixando mais fácil a movimentação, diminuindo a sensação de peso, ajudando a relaxar entre uma contração e outra, até aliviando a dor e o desconforto das contrações.

Cada vez mais mulheres têm sentido vontade de usar esse recurso tão simples e poderoso em seus trabalhos de parto.

03. Quando começou essa história de parto na água?

Apesar de algumas descrições de partos na água nos tempos antigos e em muitas culturas, os partos na água só se tornaram uma prática mais conhecida nos anos 1980 e 90.

No tempo em que os partos eram atendidos em sua maioria pelas parteiras, elas já sabiam do poder que um banho quente por imersão era muito bom para a mulher em trabalho de parto.

Mas foi por volta de 1960, que um pesquisador soviético chamado Igor Tiarkovsky, explorou pela primeira vez essa possibilidade de as mulheres entrarem em banheiras mais fundas, a ponto de cobrirem seus corpos, e também parirem seus bebês ali.

Logo depois, ainda na década de 60, o obstetra francês Frédérick Leboyer, começou a dar banhos nos recém-nascidos logo que nasciam, por constatar que ajudava na adaptação da temperatura dos bebês fora do útero de forma gradual.

Em 1980, o primeiro parto na água foi documentado nos EUA, e a imersão durante o trabalho de parto tornou-se popular devido aos relatos de alívio da dor e movimentação mais fácil.

Em 1983, o Dr. e Obstetra Michel Odent publicou um artigo citado na revista Lancet, descrevendo 100 partos na água que ocorreram num hospital em França.

Michel Odent, o cientista dos hormônios do “amor”, também foi um dos pioneiros. Instalou uma banheira num espaço da sala de parto, chamada de “salle sauvage” em francês, traduzindo para o português “sala selvagem”, no hospital em que atuava na França, em 1977. Até 1983, milhares de mulheres usaram a banheira durante o trabalho de parto, mas apenas 100 delas pariram na água. Odent percebeu que a maioria das mulheres preferia sair da água no expulsivo.

Ao observar as mulheres que preferiam continuar na banheira durante o expulsivo, viu que era um ambiente que facilitava o primeiro contato entre mãe-bebê e não apresentava mais riscos além dos riscos habituais de um parto fora da água.

Deveria ser possível para todos os hospitais convencionais ter uma banheira situada perto da sala de parto e do centro cirúrgico… a imersão em água aquecida é um eficiente, prático e econômico meio de se reduzir o uso de medicamentos e a taxa de intervenções obstétricas”. Michel Odent, escreveu no periódico médico inglês Lancet – 1983.

04. Posições para o parto na água

Essa é a graça de um parto na água, a liberdade para se movimentar e encontrar a posição que achar mais confortável.

quatro-apoios-parto-na-agua
Posição 4 apoios na piscina – por Rabble via flickr.com

Quem estiver dando assistência ao parto pode entrar, mas a maioria fica do lado de fora e se precisar intervir pode entrar na água a qualquer momento ou a mulher sair. O(a) acompanhante pode entrar ou ficar fora, pode também ficar atrás da mulher lhe dando apoio. Assim como a doula com todo seu suporte.

As principais posições são:

  • 4 apoios: Se ajoelhar e ficar apoiada na borda da banheira;
  • Cócoras, com a água fica mais fácil e menos cansativo se agachar ;
  • Semi-sentada e olhando para frente.

05. Dicas para preparar o local para o parto na água

piscina-parto-na-agua
Itens do parto na água, foto de Jason Lander via flickr.com

Principalmente se for parir em casa!

  • No caso de parto domiciliar pode comprar ou alugar uma piscina, ou ver se a equipe disponibiliza;
  • Se for hospitalar precisa verificar o que o local disponibiliza e exige;
  • Banheira ou piscina grande o suficiente para permitir mudanças de posições;
  • Profunda o bastante para ficar sentada e a água cobrir os seios;
  • Se piscina: de preferência com bordas largas, ter uma boa bomba para inflar, aquecedor e termostato;
  • Termômetro de água;
  • Uma peneira de plástico para limpar a água;
  • Temperatura ideal da água é por volta dos 37,5°C;
  • Desinfetar a piscina antes ou colocar uma capa plástica descartável para revestir a parte interna.

06. Como acontece o nascimento na água

recem-nascido-parto-na-agua
Pai e mãe recebendo seu bebê no parto na água – foto de Jason Lander via flickr.com

O bebê vai coroar, a cabeça vai aparecer, quem estiver assistindo ao parto vai verificar se não há circular de cordão no pescoço, se estiver, vai desenrolar ou aliviar para deixar o processo continuar.

O calor da água ajuda o períneo a amolecer.

Você pode botar a mão para sentir esse acontecimento maravilhoso e também conduzir a saída do bebê.

Lembrar de manter a calma neste momento. Proporcionando uma saída tranquila e suave, pode deixar o bebê ainda um tempo embaixo da água. O ideal é não passar de 2 minutos.

O estímulo da respiração acontece quando o bebê for para uma temperatura um pouco mais fria. Enquanto estiver debaixo da água ele continuará recebendo oxigênio através do cordão umbilical.

Cuidado ao puxar o recém-nascido muito rápido para cima, pelo risco de rasgar o cordão, pela rapidez ou tração muito forte do cordão, ainda mais se for curto, pode causar uma hemorragia no recém-nascido se não for solucionado a tempo.

Após o nascimento, a mulher deve ser incentivada a amamentar, os primeiros sinais vitais do bebê podem ser avaliados ainda no colo da mãe e após o cordão umbilical parar de pulsar, será decidido entre a mulher e sua equipe se desejam esperar o nascimento da placenta na água ou sair da água. Então serão avaliados o períneo e sangramentos.

Logo após toda esta jornada que vocês dois passaram, poderá deitar na sua cama, relaxar e curtir seu bebê.

pos-parto-domiciliar-na-agua
Pós parto domiciliar – foto de Jason Lander via flickr.com

07. Evidências Científicas sobre o parto na água

Segundo alguns estudos e pesquisas o parto na água apresentou:

  • Maior chance de parto natural: Os investigadores descobriram que as mulheres com parto na água tiveram taxas mais elevadas de partos espontâneos vaginais (sem fórceps ou ventosas).
  • Menos chances de lacerações de 3º e 4º graus: A razão das taxas de laceração do períneo (rasgo natural que geralmente ocorre na região da vagina e lábios internos) de 1º e 2º grau serem mais elevadas em mulheres com parto na água é porque muitas dessas mulheres teriam tido uma episiotomia (corte cirúrgico no períneo) se tivessem parido fora da água.

Por outro lado, as mulheres com partos em terra têm menos taxas de laceração de 1º e 2º grau, mas porque muitas delas são cortadas em vez de lacerar naturalmente, ou mesmo a chance de não lacerar.

  • Taxas de lacerações de 3º e 4º graus são mais baixas nas mulheres com parto na água comparadas com as que pariram em terra.

Num estudo com 1.519 mulheres italianas com parto na água, descobriram que 0,3% das mulheres com parto na água tiveram laceração de 3º grau e nenhuma de 4º grau.

No Reino Unido, 2% das 5.192 mulheres com parto na água tiveram lacerações de 3º grau. Não tiveram registros de lacerações de 4º grau.

  • Maior possibilidade de períneo íntegro: Quatro em cinco estudos indicam que as mulheres com partos na água têm maior probabilidade de parir com períneo íntegro (sem laceração).

As evidências mostram que as episiotomias podem amentar o risco de trauma perineal grave, como as que acontecem em lacerações de 3º e 4º graus.

  •  Necessidade de analgesia: Em 7 dos 7 estudos as mulheres com parto na água usaram menos analgésicos.
  • Nível de sensação de dor: O parto na água pode alterar as percepções das mulheres, elas recordam o parto como menos doloroso do que de fato foi.
  • Menor Duração do Expulsivo: 3 de 5 investigadores, descobriram que as mulheres com parto na água tinham fases expulsivas mais curtas.
  • Diminuição de Hemorragia Pós-Parto: Em seis estudos, três descobriram uma diminuição significativa de hemorragia pós-parto após o parto na água.
  • Maior chance de um parto não manipulado ou “hands-off”:  79% das mulheres que pariram na água tiveram um parto não manipulado. Significa que o profissional que estava assistindo ao parto não mexeu no bebê enquanto estava nascendo.
  • Maior Satisfação: Em outro estudo, 72,3% das mulheres que tiveram parto na água declararam que com certeza voltariam a parir novamente na água.
parto-na-agua
Satisfação no Parto na água – foto de Jason Lander via flickr.com

08. Mitos sobre o parto na água:

  • Cocô na água: Se retirado rápido, de preferência com uma peneira, não há indícios de risco de infecção.
  • Risco de infecção materna ou neonatal: grandes estudos não mostraram aumento do risco de infecção, mas houve relatos de infecções após parto. Este risco pode ser reduzido  verificando amostras regulares do fornecimento de água do hospital, mangueiras e piscinas, e instalando filtros de água quando necessário;
  • Risco de desconforto respiratório: Num estudo com 8.924 mulheres de baixo risco que foram assistidas por parteiras e que usaram a água durante o trabalho de parto ou no parto, a prevalência de dificuldades respiratórias temporárias foi de 31 bebês em 5.192 partos na água (0,6%) e 35 bebés em 3.732 partos em terra (0,9%); e
  • Risco de aspiração de água ou medo do bebê se afogar:

O risco de aspiração só existe para bebês deprimidos ou acidóticos, de forma que a ausculta fetal é essencial para monitorização do trabalho de parto. Na presença de padrões anômalos de frequência cardíaca fetal está contraindicado o parto na água”. Melania Amorim (4)

09. Quando o parto na água não é recomendado?

  • Quando a mãe deseja sair da água;
  • Parto Prematuro;
  • Expulsivo muito prolongado (descida e saída do bebê);
  • Indícios de condição fetal não tranquilizadora – como liberação de mecônio dentro da água, frequência fetal não tranquilizadora;
  • Parto pélvico, pois precisa de uma atenção maior e caso precise de manobras para a saída do bebê;
  • Indícios de bebês grandes (macrossômicos), pela possibilidade maior de haver dificuldade na saída do bebê (distócia).

10. Sem Romantismo

Muitas vezes a mulher planeja um parto na água e até mesmo romantiza o parto. Normal esse tipo de expectativa, com tantos vídeos editados de partos e tanta ocitocina nos relatos, muitas omitem o parto real, por tabu e vergonha.

A mulher sonhou com pétalas de rosas na banheira, mas o parto foi tão rápido que só rolou um cocô boiando mesmo.

Água límpida? Pode ficar turva com algumas secreções ou vermelha de sangue, cheia de vérnix do recém-nascido, vai sentir aquele cheiro adocicado de sangue e suor do parto.

Assim como planejar um parto domiciliar, que pode começar em casa, mas por “N” motivos pode terminar num hospital, num parto instrumental ou numa cesárea necessária.  Não dá para saber se o parto vai acontecer na água e não tem problema se no expulsivo, você mulher, se sentir mais confortável numa banqueta, na cama, no chão ou precisar de uma intervenção necessária.

Esteja aberta para encarar o seu parto, um parto REAL.

parto-na-agua

foto de Jason Lander via flickr.com

11. Como conseguir um parto na água?

Ainda precisamos de grandes estudos, com números maiores de participações, quando o assunto é parto na água.

Mas os estudos disponíveis já se mostram vantagens de parir na água, como: redução da necessidade de analgesia, redução de episiotomia e lacerações espontâneas, menor duração da primeira e da segunda fase do trabalho de parto e maior satisfação da mulher com o próprio parto.

O parto na água é uma das muitas opções.

Sabemos das dificuldades de acesso para conseguir um parto assim. Durante o pré-natal muitas são desencorajadas por seus médicos, que se baseiam no mito de que parto na água é perigoso.

Conheça seu hospital de referência, se possível contrate uma equipe de confiança, que te acolha e dê liberdade de escolha.

Vamos espalhar informações, lutar por nossos direitos, por nossas escolhas, por um pré-natal de qualidade e com profissionais atualizados, por maternidades, centros e casas de parto com uma boa estrutura para o parto, acesso a equipes de parto domiciliar no SUS e particulares.

O parto na água representa uma opção segura para as mulheres que o desejam, os profissionais devem respeitar a autonomia da mulher sobre a decisão do local de seu parto.

Lembre-se sempre: o parto é seu!

 

Gostou do texto? Compartilhe com quem você deseja dividir estas informações.

Se você conseguir ou já conseguiu o seu parto na água, conta aqui nos comentários ou me mande um e-mail contando a sua história: doulajulinemarconato@gmail.com

Gratidão e até logo,

Juline Marconato

Você pode ler mais em estudos científicos sobre o assunto. Essas foram as minhas referências de base para este texto :

 

 

  • Riscos de aspirar água:

Trecho do post da Dra. Malania Amorim – Blog Estuda, Melania, Estuda! http://estudamelania.blogspot.com.br/2012/09/estudando-sobre-parto-na-agua.html

 

  • Parto na Água 

Balaskas, Janet – Livro Parto Ativo: Guia Prático para o Parto Natural – A história e a filosofia de uma revolução…  Editora Aquariana/Ground – 3ª edição São Paulo/2015 – Capítulo 8. Parto na Água, páginas 261 a 278.

  • Evidências Científicas:

Evidence Based Birth – potal da Dra. Rebecca Dekker, criado para facilitar o acesso as evidências científicas dos cuidados no nascimento.  https://evidencebasedbirth.com/evidencias-cientificas-para-o-parto-na-agua/

Doulas recomendam:

Conheça os direitos das gestantes Oi, bem-vinda novamente. Hoje eu quero te apresentar alguns dos direitos das gestantes que podem te ajudar a alcançar o teu objetivo em ter um part...
Quem eu sou? Por Juline Marconato – Doula Olá, tudo bem? Este é o meu primeiro post no portal Casa da Doula. É uma honra escrever “ao lado” de tantas irmãs de profissão e missão, mulheres uni...
Eu, que era contadora, tive uma filha e virei doul... Foto retirada do site Jornal Contábil Sobre a Isabela contadora Tornei-me contadora para não fazer mais um ano de cursinho, essa foi a real.......
Pré-natal: uma abordagem humanizada No Brasil, onde o corporativismo médico ainda dita as regras de assistência à mulher no parto, temos o costume cultural de procurar um/uma obstetra pa...
Compartilhe:

2 respostas para “Parto na Água – 11 coisas que você precisa saber”

  1. Romantizam muito mesmo o parto domiciliar… Ontem estava assistindo uns vídeos no youtube sobre isso, e meu deus, fiquei chateada… Normalmente famílias ricas, e só mostram nos vídeos as coisas lindas relacionadas… é triste!
    Espero que a doulagem e as parteiras, estejam mais atentas e abertas às mulheres do povão, do SUS, às que não têm condições financeiras… Enfim!
    Estou para fazer um curso de doula, o assunto me chama atenção faz já uns 3 anos…! <3

    1. Obrigada por comentar Ednita.
      Realmente, nosso desejo é que o parto na água, partos humanizados, partos que respeitem o protagonismo da mulher, estejam cada vez mais e mais acessíveis para todas.
      Isso vai acontecer empoderando mais as mulheres, brigando por políticas públicas de atenção ao parto e dos planos que também cobram valores surreais para disponibilizar uma suíte de parto.
      Você já está no caminho certo, faça o curso e transforme toda essa chateação, essa revolta, em combustível para ajudar a levar informação às mulheres. <3 Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *