A Recepção do Recém Nascido

Compartilhe:

COMO A GENTE RECEBE O BEBÊ

Muito se fala sobre os protocolos de recepção ao recém-nascido imediatamente após o nascimento. Na assistência convencional, na qual não há protagonismo da mulher no parto, o bebê nasce e já começa uma verdadeira linha de produção com todas as intervenções que sofrem em sua chegada.

Linha de produção – Abertura da Novela Bebê a Bordo, de 1988 – Rede Globo de televisão. Para assistir ao vídeo completo da abertura

A assistência envolve intervenções desde o primeiro minuto de vida até a alta da internação hospitalar, deixando a nova mãe com um estranho desconhecido, cheio de demandas caindo de paraquedas no seu colo.

Bebês de paraquedas – Abertura da Novela Bebê a Bordo, de 1988 – Rede Globo de televisão.

Ao redor, uma enorme rede de críticas e cobranças, pois todos esperam que ela esteja inserida na linha de produção, se sinta plena, feliz, realizada, seu bebê mame e durma bem, mas isso tudo NUM TÁ CONTESSENDU!!

Será que tem alguma coisa errada?

O BEBÊ NASCEU!! Ouvir seu chorinho, cortam o cordão, aspiraram e estabilizaram o bebê num bercinho bem quentinho que apita e tem um termostato ajustável, toma algumas injeções, um bom banho e volta cheirosinho, com os olhinhos fechados, manchadinhos e recusa o peito, será que foi alimentado no berçário?!

Aspiração – Imagem pessoal, reprodução não autorizada – Cedida somente para esta publicação, por Luciana Fernandes
Injeção de Vitamina K – http://www.ebah.com.br/content/ABAAAe7NgAG/apostila-enfermagem-tratado?part=4
Limpeza do vernix, corte do cordão umbilical e separação materna – Arquivo pessoal, reprodução não autorizada

“Eita bebê preguiçoso!
Não abre os olhos, não quer mamar, só dorme!
Vai ser calminho, ufa!”

CHEGADA EM CASA

É só chegar em casa, que tudo desanda, o peito duro, cheio de leite, mas ele empurra e berra, recusando o seio. Os olhinhos começaram a soltar uma secreção esquisita, será que foi o colírio? Quando troca a fralda, lembra que tem aquele cotoco com um grampo no umbigo, o cocô é uma gosma preta e grudenta, parece piche. Chora de novo, peito doendo, mãe quer fazer xixi, bebê chora de novo, ela faminta, bebê chora mais, não sabe mais o que fazer pra acalmar ele e cuidar de si!

mae bebe rn
Autor desconhecido

Mas o mundo diz que ela precisa se sentir plena, feliz, realizada, afinal, teve um bebê lindo e saudável, tá ali no berço. Mas não sabe o que fazer com ele, pois só chora. A única saída parece ser dar uma mamadeira de leite artificial que indicaram na saída do hospital com SOS, afinal ele não pode morrer de fome e ele aparenta não estar gostando do leite dela. Na sequência oferecer a chupeta, pois parece ser o momento certo para isso. Pronto, resolvido!

TUDO SOB CONTROLE

Agora tudo parece controlado, equilibrado, adequado. Bebê dorme por 3 horas, dá pra cuidar da casa, comer, descansar, fazer maratona de séries enquanto ele dorme quietinho em seu  bercinho… Mas algo soa esquisito, pois não está vindo a sensação de plenitude que falam para ter…

CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA, CULPA…

O QUE SENTE O BEBÊ

Tudo isso soa muito culpabilizador dessa mulher, uma obrigatoriedade de acertar em tudo, de ter controle sob tudo. Mas, a maternidade envolve justamente perder o controle, se permitir, experimentar algo novo, mesmo que tenha outros filhos, cada nascimento é uma AVENTURA única e padronizar só gera insatisfação, frustrações e culpa.
O nascimento é uma enorme maratona, tanto para a mãe, quanto para o bebê. A assistência convencional interfere diretamente no protagonismo da mulher na chegada de seu filho. Em geral, o processo que envolve a recepção do bebê fica todo concentrado nos profissionais da saúde e a mãe fica numa posição de mera expectadora. Essa posição de passividade gera um imprinting tão intenso nessa mulher, que isso se perpetua na maneira que ela vai agir com seu bebê. A criança fora do contato com sua mãe, experimenta sensações de terror extremo e isso causa marcas perpétuas em sua vida.

Terror extremo – Arquivo pessoal, reprodução não autorizada

PARA MUDAR A FORMA DE NASCER

Para mudarmos essa relação automática e invasiva na recepção do recém-nascido, precisamos começar direcionando atenção à essa mulher, devolvendo seu protagonismo no nascimento e permitirmos uma atmosfera segura, acolhedora e confortável para ela parir.

Interações entre mãe e bebê são extremamente complexas e instintivas, não se aprendem, mas demandam uma PAUSA para que ambos estejam prontos para este primeiro contato. Permitir e respeitar a pausa dessa dupla, envolve contato pele a pele, calma e atenção expectante. O profissional de saúde deve direcionar sua atenção sem intervenção para não atrapalhar o vínculo.

Pausa Materna – Imagens pessoais, reprodução não autorizada – Cedida somente para esta publicação, por Nathália Caldas/ Ana Paula Okuti/ Natália Neira

Independente da via de nascimento, quanto menos se invade esse campo, melhor será a absorção da magnitude do que acabou de acontecer com ambos. Essa dupla se vincula e se conforta mutuamente de forma espontânea. O bebê calmo e estabilizado de todas as sensações intensas que passou a experimentar com a vida fora do útero, busca se alimentar naturalmente, sem necessidade de manejo. Isto ocorre quando deixamos essa dupla em contato direto com seus fluidos, suas texturas, toques, aromas, sem intermediários como roupas, mãos, injeções, sabonetes e outros protocolos que nos acostumamos a aceitar.

Pausa Materna no Parto Domiciliar – Imagem pessoal, reprodução não autorizada – Cedida somente para esta publicação, por Susanne Lee

REPARAÇÃO

Claro que após um trauma, há possibilidade de reparação e recuperação do vínculo. Muitas vezes há intercorrências e patologias que demandam assistência e intervenções imediatas que impedem que esse momento seja preservado, mas poderá ser reparado tão logo o cenário se normalize.

Reparação – Arquivo pessoal, reprodução não autorizada

Em toda nossa saga de vida, nada se compara ao conforto único que o colo da mãe proporciona. Cadeirinhas vibratórias, incubadoras e bercinhos tecnológicos com luzes e apitos, berços decorados com móbiles e kits de almofadas personalizadas, nada disso é mais esplêndido que o colo de quem te acolhe, te cuida, te conforta, MAMÃE.

Vínculo Reparado – Arquivo pessoal, reprodução não autorizada

De onde ela tirou essas informações?

A hora de ouro:
http://mybabysheartbeatbear.com/blog/the-golden-hour-after-birth/

Ferramentas simples para as mães (por Karen Strange):
https://static1.squarespace.com/static/57766acbff7c5070b30f351b/t/58771c55cd0f68c6587b3032/1484201045711/SimpleTools_for_Mothers.1.17.pdf

Traduzindo recém-nascidos (por Sonia Shan):
https://static1.squarespace.com/static/57766acbff7c5070b30f351b/t/587ef3c5bf629aa34c8314b1/1484714949527/TranslatingNewborn+%282%29.pdf

Bebês se lembram do nascimento:
https://static1.squarespace.com/static/57766acbff7c5070b30f351b/t/587ea00ed482e9a27b0975f7/1484693535110/babies-remember-birth.pdf

Vitamina K:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-72802009000500003

Como posso acompanhar essa doula?

https://www.instagram.com/suzannemirandadoula/
https://www.facebook.com/suzannedoula/
https://www.facebook.com/colopramae/
https://www.facebook.com/groups/partonatural1/
http://www.doulasrj.com.br/
http://ishtar-rio.blogspot.com.br/

Doulas recomendam:

Parto em casa é seguro? Muitas mulheres sonham em ter um parto em casa. Mas e aí, do sonho até a concretização, como funciona? Quem pode ter um parto em casa? Quais critérios...
10 dicas para quem está planejando viajar grávida... Viajar para passear, para visitar amigos e parentes, para conhecer um lugar novo, para trabalhar ou relaxar, para passar aquele último final de semana...
10 passos para o sucesso da amamentação No último ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou um documento voltado aos profissionais de saúde, apresentando 10 passos para o sucesso da a...
Parto Natural Humanizado… Você pode ter o se... Infelizmente, de alguns anos pra cá, com o avanço das tecnologias, o papel da gestante como protagonista do seu parto foi ficando de lado e a decisão ...
Compartilhe:

Uma resposta para “A Recepção do Recém Nascido”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *