Missão: Doula – Por que me tornei uma?

Compartilhe:

Minha história como doula é recente, são 2 anos e meio. A primeira vez que me questionaram “por que eu não fazia um curso para me tornar  doula eu   nem sabia do que se tratava. Na época,  fisioterapeutatrabalhando com massagens terapêuticas e orientais, casada, mas nem cogitando filhos, a   pergunta não me despertou interesse. Segui meu trabalho e fui somente   pesquisar o que era,  que me senti um tanto fora do mundo com a pergunta  e incomodada com o meu silêncio em não saber responder. 

Para você que está se fazendo a mesma pergunta, hoje tenho capacidade de lhe responder: a palavra “doula“, traduzida do grego, significa “mulher que serve”. É a profissional que durante a gestação, parto e pós-parto estará dando suporte físico e emocional à mulher (e na maioria das vezes ao seu companheiro também). Trará informações para que a mulher conheça a realidade obstétrica da sua cidade ou região, conduzindo o casal a uma assistência mais próxima possível de suas expectativas. Estudos ainda relacionam a presença da doula durante o trabalho de parto com menores índices de cesarianas, melhor satisfação da mulher em relação ao parto, menos pedidos de analgesia e meios mais invasivos de assistência, como ocitocina ou uso de fórceps. 

O Despertar 

Eis então que o mundo da maternidade me  boas vindas! Descubro-me grávida feliz, depois de uma perda gestacional prévia às 7 semanas.  Nesse primeiro momento, depois de superar a tristeza eu só queria curtir a gestação, deixando para me preocupar com o que viesse somentquando necessário fosse. E claro que esse momento  chega: 25 semanas, barriga crescendo e esse bebê tendo que achar um  jeitinho de sair De paraquedas me cai uma ex-colega da faculdade, DOULA, que me fez conhecer, entender e me apaixonar  por esse mundo na prática. Me falou sobre a dura realidade da nossa cidade, da falta de incentivo ao parto normal por parte do médicos… mas também me falou das fases do trabalho de parto, das experiências que ela tinha passado e o quanto isso mudou a sua vida perante as situações mais adversas, das expectativas que cada mulher leva para o parto, da superação da dor e das formas de amenizá-la durante o processo. Com ela eu me sentia segura, livre para me abrir. E isso é decisivo nesse momento tão íntimo e importante da vida: eu só levaria para ele alguém que eu confiasse muito – e alguém que me conhecesse muito também. 

A busca pelo parto foi uma luta, como para muitas mulheres é até hoje:  obstetrcesarista, como todos da cidade. Mas eu me sentia muito segura com minha equipe – tínhamos doula e enfermeira obstétrica também, então a busca foi compartilhada com elas. Não foi fácil, mas… 

Conseguimos! 

Nosso primeiro momento como família! Em êxtase! Créditos: doula Marieli Rossoni – arquivo pessoal

Nosso Felipe veio em 08/11/2013, às 40 semanas e 4 dias, após uma gestação sem intercorrências uma longa busca por um nascimento com respeito, onde pudemos nos reconhecer como mãe e filho sem  interferências externas. Nasceu de um parto normal hospitalarapós 12 horas de trabalho de partativo 

A evolução do trabalho de parto em casa foi ótima, mas ao adentrar no hospital, já no período expulsivo – a fase final do parto, passei por uma parada de progressão e o parto que era para acabar em minutos se prolongou por mais quatro horas. No fundo eu não confiava no obstetra e hoje tenho plena certeza que sua presença foi decisiva nessa parada. Esse inclusive é um acontecimento muito comum: em casa, a mulher está no seu cantinho, tem total liberdade para fazer o que quiser (e uma equipe realmente humanizada vai respeitar isso). Ao entrar o hospital, em meio a pessoas estranhas que seguem condutas no automático, a mulher pode se sentir observada, exposta, invadida…  

Sorte minha que a equipe estava preparada para essa condição e pôde me orientar a respirar, visualizar meu filho descendo e girando pela minha pelve, me sugeriu sentar na bola, rebolar, chuveiro… E assim retomei as contrações e ele veio, quente, com aquele cheirinho delicioso pro meu colo! 

Nosso parto foi a concretização de um sonho! Tamanha foi a minha felicidade sensação de força que não consegui mais me afastar do universo do parto. Equem atravessa esse portal sabe como é forte a vontade de que mais  pessoas o conheçam. Então… 

Quero isso para outras mulheres! 

Nossa estréia! Minha, como doula. Dela, como parturiente – Créditos: Ariane Domenegato

Em 201surge a oportunidade de fazer curso de doula! Reveladorapaixonante, um verdadeiro caminho sem volta! Era uma realidade que eu não conseguia mais deixar de lado, quando via era sobre isso que estava buscando informação na internet e lendo. No último dia do curso, já emocionalmente envolvida com todo esse universo, duas gestantes amigas me mandam mensagem e me dão o presente de acompanha-las. Naquele momento, muito emocionada, eu me sentia plena, completa, trilhando o melhor caminho. E até hoje, a cada parto, a cada história de vida em que me permitem, a cada lágrima e suspiro que acolho, é exatamente assim que me sinto!  

E hoje... 

Ouvir esse choro, respeitar esse silêncio e presenciar esse momento… não tem preço!
Créditos: Nanny Bellin

Se me perguntaa minha profissão: DOULA. Sim, não desmereço o que aprendi antes, até porque são recursos que utilizo muito na minha prática. Mas é pra essa missão que eu vivo! É essa energia que quero sentir e presenciar a  mulher sentir também! É um verdadeiro privilégio poder assistir o nascimento do bebê (e o renascimento da mãe), é presenciar o verdadeiro milagre: a vida acontecendo como ela deve ser – com força, amor e entrega. 

Acredito no dia em que todas as mulheres poderão ter ao seu lado uma doula! Todas merecem! 

Links de apoio: 

  1. Evidências qualitativas sobre o acompanhamento por doulas
    no trabalho de parto e no parto – http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n10/26.pdf
  2. Preparo da Gestante para o parto – http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71671973000200108
  3. Atuação fisioterapêutica para diminuição do
    tempo do trabalho de parto: revisão de literatura – http://files.bvs.br/upload/S/0100-7254/2010/v38n8/a1587.pdf

 

Acompanhe também pelo Facebook

https://www.facebook.com/doulakarinegaffuri/

Doulas recomendam:

Parto normal e ativo? Por que? Parece que hoje em dia está na moda falar e defender o parto normal, não é?! Onde já se viu, mulher levando plano de parto na maternidade e discutindo...
Nascida pra cuidar e dar Colo pra Mãe Quem é, de onde vem? Fonte: arquivo pessoal Carioca da zona norte do Rio de Janeiro, nascida em uma família de origem nordestina e mineira, prati...
Gravidez de risco é sinônimo de cesárea? Ou pode t... A ideia de que gestação de alto risco, ou gravidez de risco, precisa terminar em cesárea é muito difundida: "Se tudo estiver bem, eu faço o seu parto ...
Meu diário “Semanal” de gestação ̵... Quando a gente começa a contar a gestação em semanas, dependendo de como a gente encara as mudanças do corpo, parece que, ou passa voando, ou não pass...
Compartilhe: