A placenta após o parto

Compartilhe:

Você grávida já parou pra pensar o que vai acontecer com a sua placenta após o parto? Você que pariu, já passou pela sua cabeça onde ela foi parar? Muitas mulheres não fazem ideia do que acontece com a placenta, recebem o bebê após o parto e nunca se questionam sobre o que foi feito com o órgão que cuidou e manteve o bebê durante toda a gestação. Se você nunca pensou sobre isso, hoje vim te apresentar alternativas do que você pode escolher fazer com a sua placenta.

Primeiramente, qual é o destino comum da placenta?

Em geral, o que acontece com as placentas após o parto é que elas são simplesmente consideradas Resíduo de Serviço de Saúde (RSS) e seguem como expurgo hospitalar para serem incineradas. Não é feita consulta alguma à mulher, não é oferecida a opção de que ela veja ou toque, simplesmente se pressupõe que as mulheres não tem interesse no contato com a placenta e pronto. Comumente, essa é a situação que ocorre na maioria dos hospitais.

A sua placenta é de direito seu!

placenta pós parto
Fonte: Roberta Martins – Fotografia

A recomendação de que a mulher possa decidir sobre o destino de sua placenta (bem como sobre suas roupas, seu bebê e sua alimentação) é feita pela Organização Mundial da Saúde.

No Brasil não existe impedimento legislativo que impeça que a mulher possa decidir sobre isso e, sendo assim, seguindo o inciso II do Artigo 5º da Constituição Federal que diz que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”, não há justificativa para que esse direito seja negado às mulheres. Há também como base o Artigo 13 do Código Civil que orienta que Salvo por exigência médica, é defeso o ato de disposição do próprio corpo, quando importar diminuição permanente da integridade física, ou contrariar os bons costumes.”

Além disso, temos também a indicação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária de que “havendo a requisição da placenta pela família, o material não deve ser considerado como Resíduo de Serviço de Saúde (RSS). Assim, o serviço deve dispor de procedimentos próprios para garantir que o paciente ou a sua família recebam um material com a segurança de que ficará preservado com o tempo, pois é de fácil putrefação.”. Isso mesmo, o hospital deve não só atender a requisição como também fazer isso de forma adequada quanto a conservação.

O que fazer para ter sua placenta após o parto.

Caso deseje ter acesso a sua placenta, seja somente para vê-la após o parto antes do descarte ou para levá-la consigo e destiná-la a alguma finalidade como print, plantio, para encapsular, fazer tintura ou algum outro propósito, você pode traçar um planejamento e algumas ações para que consiga isso.

Primeiramente se informar sobre esse seu direito, entender que não existe respaldo para que o hospital simplesmente decida sobre isso, ter isso na ponta da língua e compartilhar com quem vai estar com você. Seu/sua acompanhante deve estar igualmente informado/a pois pode ser peça chave nesse processo de requisição, especialmente caso haja alguma resistência.

placenta pós parto doula
Fonte: Roberta Martins – Fotografia

Registrar essa decisão no plano de parto é bem interessante também pois é um documento e essa escolha faz parte de como você almeja a experiência do seu parto. Junto a isso, caso tenha equipe contratada, converse isso com ela e deixe claro o seu posicionamento. Doulas, em geral, curtem muito esse processo, fazemos os prints, te  apresentamos a placenta/cordão/bolsa após o parto e podemos te ajudar a encontrar o caminho caso queira alguma opção como encapsular, fazer tintura, homeopatia, pomada etc.

Basicamente é isso: a placenta é de direito seu e cabe a você a finalidade que pretende dar a ela. Existem muitas opções interessantes para quem deseja honrar esse órgão de função tão fundamental, ensinar os filhos no futuro sobre o papel e importância da placenta ou aproveitar os benefícios que possui. Caso você nunca tenha pensado sobre isso esse pode ser um momento interessante para você tomar posse desse direito e pensar sobre essa questão.

Ter direito sobre o destino da placenta não significa que você precisa necessariamente fazer algo com ela, mas significa que a categorização desse órgão como expurgo hospitalar não deve ser  o destino óbvio sem que a mulher tenha parte nessa decisão.

REFERÊNCIAS:

Artigo 13 – Código Civil

Artigo 5º – Costituição Federal

Destino da placenta após o parto – Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida

O direito à placenta – Rafael Felício Jr.

Uso e consumo de placenta – ANVISA

World Health Organization. Appropriate technology for birth. Lancet 1985; 2: 436-7

Sobre opções de destino para a placenta recomendo: Segredos da Placenta

 

Doulas recomendam:

Puerpério: dicas práticas de como sobreviver O puerpério é um período de adaptação da mãe, do bebê e da família, também conhecido como resguardo ou quarentena. É um período delicado, em que grand...
Parto normal, natural, humanizado… Quando o assunto é parto normal, muita gente se confunde com esses nomes. Afinal, qual é a diferença entre parto normal, parto natural e parto humaniz...
Oi! Deixa eu me apresentar! Oi! Tudo bem? Eu me chamo Yasmin, tenho 23 anos, sou casada com o Davi e doula atuante na minha amada terra da luz: Fortaleza/CE. Mas hoje eu te convi...
Cheguei aos 10cm, mas o bebê não nasce! Quem anseia pelo parto natural ou normal, comemora cada centímetro  dilatado desde o início do trabalho de parto – lembrando que a fase latente (até 5...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *