Intervenções desnecessárias no parto

Compartilhe:
  • Intervenção
Substantivo feminino
1. ato de intervir.
2. em um debate, ato de emitir opinião, contribuir com ideias etc.
Atualmente sabe-se que diversos procedimentos rotineiros realizados no parto são completamente desnecessários, tanto com a parturiente quanto com o bebê.  Uma intervenção no parto nem sempre é danosa, mas ela deve ser sempre explicada a parturiente o que será feito, quais os riscos e benefícios, com a decisão cabendo somente à ela. Existem estudos científicos que algumas dessas intervenções não devem ser realizadas de forma rotineira.

E os procedimentos com a mãe?

Créditos: Amor em Foco Fotografia
Uma das primeiras intervenções ocorre com a parturiente logo na chegada ao hospital. Em muitos casos ela está com contrações (porém sem ritmo), com a bolsa rompida (sem contrações) ou com pouca dilatação (geralmente ainda em pródromos ou fase latente de TP). Os médicos costumam administrar o famoso “sorinho”, que nada mais é que ocitocina sintética (um dos hormônios produzidos durante TP). Como não é algo fisiológico e o corpo da mulher não está preparado para isso, acontece aí o primeiro pingo da cascata de intervenções!
O uso de ocitocina está relacionado com um aumento, em primíparas e multíparas, nas taxas de cesarianas e uso de analgesia peridural. Além disso, também foi observada uma associação significativa entre a estimulação com ocitocina e valores baixos de pH do sangue de cordão umbilical de recém-nascidos de mães primíparas. Podemos concluir que a estimulação com ocitocina não deve ser utilizada de maneira sistemática, mas apenas em casos muito específicos e onde o seu uso seja particularmente necessário.

Além da ocitocina sintética, podemos citar outras intervenções com a mãe

Créditos: TudoEla.com
  • Ausência de monitoramento materno: como por exemplo, aferir pressão arterial, verificar possível febre (sinal de infecção), simais vitais;
  • Privação de alimentação e oferta de água: a parturiente não precisa privar-se de comer e beber água, não existem evidências científicas que comprove o contrário. Esse é um procedimento ultrapassado de quem não pratica uma assistência baseada em evidências.
  • Proibir o direito do acompanhante: a lei federal nº 11.108 de 7 de abril de 2005 prevê que a parturiente tem direito a 1 (um) acompanhante de sua livre escolha no pré-parto, parto e pós-parto. Negar este direito é uma violência obstétrica e deve ser denunciada.
  • Obrigá-la a se depilar: depilação pode ser uma porta pra entrada de bactérias, vírus, etc, pois a pele fica irritada e muitas vezes ferida.
  • Fazer lavagem intestinal e/ou anal: não existem evidências científicas que comprovam haver benefícios,  pelo contrário, pode ser muito desconfortável para a mulher.
  • Impedi-la de se movimentar e ficar deitada: ficando deitada, a mulher luta contra a gravidade e ela pode (deve) usar isso a seu favor. Posições mais verticalizadas, tais como cócoras, quatro apoios, em pé, facilitam o bom posicionamento do bebê e sua rotação e ainda diminui as chances de uma laceração.
  • Não informar a mulher sobre algum procedimento médico que será realizado;
  • Agressão verbal ou física por parte do profissional da saúde;
  • Toques vaginas em excesso;
  • Rompimento precoce da bolsa das águas;
  • Entre outras.
Leia mais em:

Doulas recomendam:

Parto normal: eu quero! Amanda Greavette Desde a sua criação a mulher foi agraciada com o poder único e especial de conceber, gerar, parir e nutrir um novo ser. Trata-se ...
Desproporção céfalo-pélvica, “eu não tive passagem... Para o bebê sair do corpo da mãe, ele tem que atravessar um longo e, geralmente, lento caminho entre os ossos da bacia materna, mas tanto o corpo da m...
O medo da dor do parto Sim, os momentos do trabalho de parto ao parto normal são doloridos sim... Porém são totalmente suportáveis por qualquer mulher. Principalmente para v...
Entendendo o processo de dilatação A dilatação é a “abertura da porta” para a saída do bebê. Quando o bebê está pronto e chega o momento do nascimento, o corpo se prepara, há uma intens...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *