Prazer, Suellen.

Compartilhe:

Pausa pra selfie entre uma contração e outra 😉
Prazer, Suellen. 23 anos, missionária católica, estudante de enfermagem e doula. Nascida e criada no Rio, suburbana, pagodeira, sonhadora e apaixonada. Vim ao mundo pela típica cesárea da Perinatal. A bolsa estourou, todo mundo correu pra maternidade, mas não sem antes bater um pratão de bife com batatas fritas (meu pai não deixou minha mãe sair sem comer e minha mãe diz que foi a melhor comida da vida dela. Até hoje.).
Chegando na maternidade, bronca da médica – “não era pra ter comido, vai ter que fazer lavagem!”. Poucas horas depois, cesárea. Falta de dilatação. Até hoje minha mãe acredita que a cesárea foi necessária.
Quando pequena, via a gravação em VHS e questionava porque nasci pela barriga. “Mamãe não teve passagem, filha”, era a resposta. Hoje eu sei que mamãe não teve informação, acolhimento, suporte às dores, médico humanizado.
Isso eu descobri por outra mãe, a Roberta (@maedaprole), casada, também missionária e mãe de três, 2 partos vaginais após a cesárea desnecessária do primogênito. Ela se inseriu nesse mundo da humanização e me levou junto, tão junto, que nos formamos doulas na mesma turma. Foi a primeira mulher que eu conheci que teve uma doula, quando éramos menos conhecidas do que somos hoje.

Plano de carreira

Quando eu tava no período de pré-vestibular, tive um sonho que administrava uma casa de parto, que só confirmou a carreira que eu queria seguir: enfermeira obstetra. Entrei na faculdade de enfermagem e vou equilibrando trabalho, estudos e pesquisa.
Sou entusiasta do parto sem dor. É o que eu amo estudar e é todinho baseado em educação perinatal, fisiologia, exercícios de fortalecimento do períneo e respiração. Talvez até vire tema do meu TCC. Se o parto é algo natural, por que é preciso ter dor e sofrimento? É o que pensam também os adeptos do gentle birth – em que pretendo me especializar um dia – ou hypnobirthing. É o sonho de 10 entre 10 mulheres, eu inclusive.
Acredito muito no modelo de parto domiciliar, em risco habitual, e o meu sonho de princesa é que o modelo do Hospital Sofia Feldman, em Belo Horizonte, se expanda pro resto do Brasil. Esse é o SUS que amo e defendo, modelo de assistência humanizada e acessível.

Por que Doula?

Ainda não pari, ainda não sou mãe, portanto minha assistência não se baseia na experiência, mas na dignidade. Para mim, a vida e a pessoa são inestimáveis, por isso acredito e defendo uma assistência digna. Oferecer uma assistência sem violência, sem mentiras, baseada em evidências científicas é o mínimo. Deveria ser assim para todas mas, infelizmente, o acesso ao parto ainda é muito elitizado.
Escolhi servir as mulheres, promovendo uma assistência digna, alívio da dor, auxílio espiritual, exercícios, o que for necessário para tornar positiva a experiência do parto. Isso é um direito que eu preciso defender.
Trabalho aqui no Rio, da zona norte à zona sul, passando por Jacarepaguá e tenho projetos de iniciar rodas de gestantes no próximo semestre.
É isso! Espero que ainda nos vejamos muito por aqui!

Referências

Gentle Birth – https://www.gentlebirth.com/
“Hospital de Minas Gerais oferece parto domiciliar pelo SUS” – http://www.maesdepeito.com.br/hospital-de-minas-gerais-oferece-parto-domiciliar-pelo-sus/, acessado em 12/06/18.
Parto sem dor, VELLAY, Pierre. 7ª edição, 1993.

Compartilhe:

10 respostas para “Prazer, Suellen.”

  1. Tenho um orgulho danado de você e da Beta. Cresci ouvindo que pra ser mãe não pode ter medo sofrer. Quem dera tivessem se referindo as angústias da vida de uma mãe, mas estavam falando da dor do parto. TABU na minha casa até hoje. Vcs me mostraram que é possível sonhar com um parto humanizado e digno. Ainda não sou mãe, mas sei que agora não terei mais medo de ser. Vcs vão longe

    1. Maravilhosa! Casa logo porque quero os babies!
      Isso que é mais prazeroso no meu trabalho, sabe? Essa libertação dos achismos, dos tabus, das justificativas com o filho do vizinho que fez isso ou aquilo <3

  2. Lindo e excelente texto Suellen S2 . Muito me orgulha alguém tão empenhada, estudiosa e transbordando o verdadeiro Amor ao próximo! ❤️

  3. Que linda, minha sobrinha!!! Afinal vc é a culpada pelo “tio” Gleidson ser chamado de tio Gleidson… kkkkk.
    Que teus passos te levem a longas jornadas e que todas elas te conduzam a favorecer que os bebês e as famílias conheçam a alegria, o cuidado, o afeto e a dignidade da vida. Deus te abençoe!

    1. Assim eu morro de amores (e de chorar)! Se eu fizer um pouquinho do tanto que você já fez pelas famílias e pelos bebês eu já vou ser feliz! ❤️

  4. ??????Muito bom. E se precisar de ajuda nas rodas de conversas e todo apoio terapêutico com as mães e como acalmar as mamães com os cuidados com os recém -nascidos. Pode contar com a TO.

    Confesso que as aulas de corporiedade e saúde da mulher me fez ter um olhar mais humanizado pelo parto. Já sigo alguns grupos de doula.

    Queria muito ter feito essa formação. Quem sabe em breve. Retorne e faça esse projeto florescer.

    Enquanto isso vou aperfeiçoando para cuidar e avaliar melhor os bebês.

  5. Se existe pessoa mais linda eu nem sei dizer. Que orgulho de vc, das suas escolhas e do seu amor! Que Deus te abençoe sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *